segunda-feira, fevereiro 01, 2010

( 1 ) Comentários

Palmiro Cruz e suas Obras - Relembrando o ETSEDRON




A aproximadamente 30 Km da Capital baiana seguido pela Estrada do Coco chega-se a Arembepe. Com suas belezas naturais e tranquilidade torna-se um palco inspirador para belas obras.

É lá que se encontram as criações particulares do artista plástico Palmiro Cruz.


Logo na entrada somos saudados por um espantalho vivo podado em árvore.



Em sua varanda está este monumento com face de animais. (O cachorro é de verdade. Ele parece gostar desse canto.)




Mas toda a atenção por parte dos visitantes está nessa estátua de aço responsável por encher a piscina de água. Diferente, não?



Bem próximo, um burro feito de gravetos. Este lembra muitas das obras já conhecidas que marcaram o movimento artístico Etsedron.






Movimento ETSEDRON


ETSEDRON, anagrama da palavra Nordeste, expressa literalmente o seu objetivo. Através do que se poderia considerar o avesso da arte, esses artistas enalteciam aspectos do povo nordestino e com suas exposições representavam comportamento do homem sertanejo afastando-se dos modelos europeus e norte-americanos.


Inspiravam-se no convívio com as comunidades locais e como Guimarães Rosa, chegava-se a um Brasil sertanejo, agreste, distante da imagem litorânea, paradisíaca, estereotipada, mas com seus próprios valores e sua beleza peculiar.



Esteve em
auge entre 1969 a 1979. Apesar dos obstáculos que fez com que o grupo perdesse a força, o fim da trajetória do grupo deu-se em grande estilo com a queima ritual de suas peças em Jauá.


As cinzas foram enviadas para a I Bienal Latino-Americana em São Paulo (1978) com o título de A Morte do Mito. A documentação do ritual da queima recebeu o título de Metagênese e Apocalipse.


"Uns mostram as crateras da Lua, outros mostram o luar, nós mostramos o Etsedron, o avesso do Nordeste. Puro, ingênuo, analfabeto, místico e maltratado. Seus munzuás e tapetís - formas e texturas a serem usadas por quem bem quiser - e caxixi e urupembas a vinte centavos cada um. Quantas horas de trabalho?" - IMAGEM DO ETSEDRON, 1973, p. 7


Para ver mais fotos de algumas das criações de Palmiro Cruz, acesse e adicione a página do blog no Orkut.



Palmiro
Cruz é também gerente da Art&Cort - Arte final e recorte eletrônico onde realiza os serviços de Recorte Eletrônico, Arte-Final, CD e DVD Virgem, Impressão PB e COLOR e Impressão Digital. Contato:
artcort@oi.com.br. Rua Direta do Uruguai N 69 (em frente ao GVA), Salvador Bahia (71) 3313 0017

1 Response to " Palmiro Cruz e suas Obras - Relembrando o ETSEDRON "
Miled said :
13 de fevereiro de 2013 18:08
Na 13ª bienal ficamos amigos, eles jogaram um caminhão de terra dentro do pavilhão e plantaram feijões, fizeram muito sucesso com suas performances e objetos, éramos a parte de maior aglutinamento de pessoas, o sucesso do meu trabalho "LUZ" não ficava atrás, dias felizes...gostaria muito de revê-los, fiquei emocionado que depois de 38 anos se passarem eu voltar a ouvir falar da magia que este grupo transmitia.

Related Posts with Thumbnails

 

"O que fazemos na vida ecoa na eternidade."



 

Este blog possui atualmente:
Comentários em Publicações!
Widget UsuárioCompulsivo

Online